JOGOS OLÍMPICOS

O Estádio Nacional de Pequim

São muitos os motivos para recordar as Olimpíadas de 2008, e um deles é, sem dúvida, o imponente espetáculo oferecido às plateias de todo o mundo pelo Estádio Olímpico de Pequim, obra universalmente rebatizada com o apelido de Bird’s Nest, ou seja: Ninho de Pássaro.

O Estádio Nacional de Pequim
O Estádio Nacional de Pequim
O Estádio Nacional de Pequim
O Estádio Nacional de Pequim
O Estádio Nacional de Pequim
O Estádio Nacional de Pequim
O Estádio Nacional de Pequim
O Estádio Nacional de Pequim
jQuery Slide

Um milagre arquitetônico

Bird's Nest: o motivo do nome salta imediatamente aos olhos: um intricado jogo de tirantes e uma complexa estrutura de aço permitiram realizar este gigantesco ninho, capaz de receber perfeitamente 91.000 espectadores, e uma das pistas de atletismo mais velozes do mundo.

A história deste milagre arquitetônico tem início com um proclamação publicada em 19 de dezembro de 2002. Em 26 de março de 2003, um júri de especialistas internacionais examina as propostas vindas de todo o mundo e em abril é anunciado o vencedor: é o estúdio suíço Herzog & De Meuron, que, juntamente com Arup Sport e China Architecture Design & Research Group, entrega a obra completa em dezembro de 2007. Tudo é perfeito, estudado nos mínimos detalhes. Em 28 de junho de 2008, uma grandiosa cerimônia de inauguração abriu as cortinas deste colossal palco que, por cerca de um mês, colocaria o dragão chinês diante dos olhos estupefatos do mundo inteiro.

O mito

Realizar uma obra de tal porte não foi fácil. Na China tudo é símbolo, cultura, referência ao passado, e o Estádio Nacional de Pequim não podia abdicar de tudo isso. A forma circular da construção representa o Paraíso, o motivo da cobertura se inspira, por sua vez, na tradicional cerâmica chinesa com efeito “rachado”, que os turistas podem adquirir nos mercados da capital. De longe, este estádio se parece com um vaso colossal, mas também com um imenso ninho e aqui a nossa mente está pronta para imaginar a China como um grande pássaro que acaba de levantar voo.

A arquitetura

No início, o estádio foi pensado para acolher 80.000 espectadores, mas, mais tarde, a capacidade foi aumentada para 91.000 lugares. Destes, 11.000 temporários se localizam no último andar, sobre o terraço panorâmico de frente aos restaurantes. Para a realização da obra trabalharam 17.000 operários e foram utilizadas 44.000 toneladas de aço para uma estrutura que se eleva do chão por seis andares. Por causa das características geológicas da região de Pequim, o estádio foi concebido para resistir também aos terremotos mais violentos e a sua segurança em caso de atividade sísmica aumentou após a renúncia ao teto que deixa a estrutura ainda mais leve.

“O nosso objetivo era realizar uma obra arquitetônica que continuasse a ser funcional mesmo depois das olimpíadas de 2008” declaram os arquitetos Herzog & De Meuron,que, para celebrar a obra, fizeram até mesmo um filme, no qual são narradas todas as fases da construção do estádio.

O esporte

Se o estudo arquitetônico foi notável, lembremo-nos de que o Bird’s Nest é, antes de tudo, um estádio e, para os atletas na competição, o que conta mais que tudo é o resultado do seu próprio desempenho.

A pista que desliza rápida sob os pés delos etletes é aquela feita pela Mondo com o Mondotrack FTX, um material altamente inovador, fruto de pesquisas aplicadas e da experiência adquirida no fornecimento das instalações para oito edições anteriores dos Jogos Olímpicos.

Desta vez, porém, tornando as coisas mais complexas, há duas características fundamentais impostas pela organização dos Jogos. A estrutura final deverá ser: Hi-Tech e com uma forte propensão à ecologia, as olimpíadas de Pequim foram de fato as primeiras em que se falou de Olimpíadas Verdes. A pista final respeita totalmente esses pedidos. É Hi-Tech porque é fruto de um longo processo de desenvolvimento com base nos princípios de biomecânica aplicada e engenharia. Além disso, é ecológica, porque é realizada com materiais ecocompatíveis e com um ciclo produtivo que coloca o respeito ao ambiente no centro de todas as fases do trabalho.

Os resultados

O desempenho dos atletas entusiasmam o mundo inteiro. Em 24 de agosto, as Olimpíadas chegam ao fim, mas as almas ainda estão quentes. Lamine Diack, Presidente da IAAF (International Association of Athletics Federations), declara, entusiasmado: “Os Jogos Olímpicos de Pequim demonstraram mais uma vez por que a IAAF escolheu Mondo como parceiro oficial desde 1987 e por que essa colaboração continuará até 2019.

Lidamos com a excelência nas superfícies para as pistas de atletismo e estamos todos maravilhados com os resultados obtidos em Pequim por todos los atletes. Além das últimas 9 Olimpíadas, Mondo forneceu as pistas também para numerosos IAAF World Championships e nesses circuitos foram batidos mais de 230 recordes mundiais. Um resultado simplesmente extraordinário”.

EN RESUMO

Extensão: 254.600 m2
Pista: Mondo Spa
Altura: 69,2 m
Início dos trabalhos: 24 de dezembro de 2003
Custo de realização: 423 milhões $
Engenharia estrutural: Arup
Número de operários: 17.000
Aço utilizado: 44.000 toneladas
Capacidade: 80.000/91.000 (Olimpíadas 2008)

MONDO OLIMPÍADAS

s
London 2012
s
Sydney 2000
s
Atlanta 1996
s
Barcelona 1992
s
Seoul 1988
s
Los Angeles 1984
s
Moscow 1980
s
Montreal 1976